Estimular a Arte na educação: qual a importância?



Mas afinal, o que é Arte?

A arte é uma forma poética e sensível de expressar as emoções. Além de colaborar na formação do indivíduo, o torna crítico e reflexivo. Possibilita um diálogo com quem a observa, cria situações que podem se tornar desafiadoras para o apreciador e, algumas vezes, ao olhar a composição, consagra-se uma reflexão sobre o significado da arte.

Contudo, a arte está ligada também aos fatores históricos e sociais, dialogando ativamente com nossa sociedade e acompanhando a evolução do homem, criando os estilos de época.

A Arte na educação e no currículo escolar do Colégio Stocco

Em 1988, ano da nossa atual Constituição Federal, em meio a discussões sobre educação, a Arte sofreu riscos de ser excluída do currículo escolar, fator que levou educadores da área a organizarem manifestações a fim de garantir a permanência do estudo das artes nas escolas. Independente do fato, desde sua fundação, o Stocco sempre valorizou a disciplina assim como seus profissionais altamente qualificados.

Muitas vezes, o primeiro contato com as artes é na escola. No Colégio Stocco, o estímulo para esse estudo sempre foi um dos pontos primordiais para que os estudantes sejam protagonistas no processo de artístico, estimulado pelos educadores a terem a liberdade de expressão de maneira plena em dança, música, teatro e artes visuais.

A forma de ver ou fazer arte revela a compreensão que temos do mundo. O Colégio Stocco valoriza a diversidade de saberes e vivências culturais estimulando a liberdade, autonomia, criticidade e responsabilidade alinhadas à cidadania.

As Ciências Humanas aplicadas no Colégio Stocco



O estudo do ser humano no tempo e no espaço é a premissa das ciências humanas. O homem é um ser histórico e cultural, e com seu trabalho é capaz de modificar a natureza de acordo com suas necessidades e desejos, relacionando-se com ela e com seus semelhantes. Essas relações promovem mudanças espaciais, sociais, econômicas, políticas e culturais aptas a humanizar ou desumanizar a nossa espécie.

Nesse sentido, aprender História, Geografia, Filosofia, Antropologia e Sociologia possibilita as transformações necessárias para uma sociedade igualitária. Em outras palavras, sua função transcende o ensino de conceitos e conteúdos e deve colaborar para formar pessoas capazes de impactar a sua comunidade, por meio de uma postura ética e civilizada.

Esse movimento inicia-se no Colégio Stocco desde a Educação Infantil e amplia-se no Ensino Fundamental II, quando o adolescente já tem a capacidade de reflexão e abstração sobre si mesmo e os acontecimentos sociais.

Como ensinamos Ciências Humanas no Stocco?

Nossos Stoqueiros são estimulados a reconhecer a relação existente entre o fato, os agentes históricos e o tempo. E também a compreender as motivações e as consequências das ações dos indivíduos, a partir da leitura de notícias, livros, artigos, vídeos, documentos, obras de arte, vivências em estudos do meio, debates, seminários entre outras estratégias de ensino, para entender que a interpretação de um contexto pode assumir faces distintas.

Quais atividades relacionadas à Ciências Humanas o estudante desenvolve no Stocco?

Desenvolvemos diversas atividades relacionadas às diferentes competências: o Projeto Brumadinho, com a simulação da barragem no espaço Maker; Debate: “O que a Revolução Francesa tem a ver com você?”; Palestras com diversos  profissionais, como o geógrafo e professor Ricardo Alvarez, a deputada federal Tabata Amaral e o diretor e ator Paulo Betti, além da criação de jogos, com o recurso da gamificação, para aprender sobre o contexto geopolítico da América.

O processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido por meio da mediação do conhecimento, efetivada de maneira intencional pelo professor, com o objetivo primordial de favorecer o protagonismo do estudante nesse percurso, a fim de formar cidadãos com pensamento crítico e autônomos.

Alfabetização e Letramento



Desde a mais tenra idade, as pessoas entram em contato com a linguagem e, segundo estudos, apreendem o tom, o ritmo, a intensidade e os significados dos vocábulos.

Ao nascer, são inseridas num ambiente letrado. Inicialmente, fazem uso apenas de uma parte da linguagem. Aprendem a ler e a entender o mundo pelas experiências que tiveram.

Ao entrar na escola, passam a receber inúmeros estímulos para continuar construindo conhecimentos acerca da linguagem.

Nesse ingresso, a criança carrega toda sua experiência. É um ser que já se comunica, mesmo que apenas com um único som ou sílaba.

Cabe a escola, então, respeitar e partir desses aprendizados naturais, a fim de ampliar o conhecimento linguístico dos indivíduos. É necessário fazê-los transitar pelos saberes que já dominam, relacionando-os as suas diversas experiências de mundo, construindo conhecimentos.

Ou isto ou aquilo?

Parodiando Cecília Meireles, “Ou se tem alfabetização e não se tem letramento ou se tem letramento e não se tem alfabetização?”

Será que esses conceitos são de fato antagônicos e não podem coexistir?

Eles devem estar integrados na aprendizagem inicial da língua escrita, pois envolvem conhecimentos distintos que precisam ser ensinados.

De uma forma prática, alfabetização é o processo de ensino e aprendizagem, no qual o educando é estimulado a codificar e decodificar uma língua, sendo capaz de ler e escrever. Já o letramento se ocupa da função social dessa leitura e escrita; é a forma como os indivíduos fazem uso da língua, nos contextos sociais em que estão inseridos.

Na Educação Infantil, ao trabalharmos com parlendas, rimas, poemas cantados, histórias e outros gêneros textuais, possibilitamos a aquisição da linguagem de forma significativa, ou seja, alfabetizamos letrando.

A linguagem é natural; a escrita é cultural, portanto precisa ser vista de forma contextualizada, respeitando o desenvolvimento de cada indivíduo.

Num momento em que se fala de novos letramentos, letramentos críticos, digitais ou multiletramentos, faz-se necessário um ensino reflexivo e eficiente da língua, com propostas realmente significativas e contextualizadas, como as realizadas em nosso Colégio.

Escrever e criar, é só começar!

Como certa vez afirmou Drummond, “lutar com as palavras é a luta mais vã”. Sendo assim, nas aulas de linguagem em nosso Colégio, proporcionamos aos estudantes leituras e vivências de textos de excelente qualidade e procedência, garantindo uma diversidade de gêneros, incluindo os digitais, tão relevantes em nosso contexto histórico.

Livros de literatura e demais portadores de texto precisam fazer parte do dia a dia do educando, em rodas de conversa, aulas na biblioteca, leitura compartilhada, silenciosa e tantas outras estratégias denominadas por vários autores de formas diversas.

Entrar no mundo da imaginação possibilita vivenciar contextos e construir uma visão de mundo crítica. Para isso, o papel da escola é essencial: há necessidade de despertar o prazer de ler, respeitando o leitor em seus direitos imprescritíveis.

Propostas de leitura precisam ser criteriosamente planejadas, com objetivos claros de formar leitores e escritores competentes. Por isso, nossos educadores buscam atualizações e aperfeiçoamentos, a fim de proporcionar essa formação aos nossos estudantes.

Momento Cultural – Leitores do mês

Por mares já navegados

Há necessidade constante de explorar a língua, a fim de conhecer suas características e funcionamento.

Várias estratégias podem ser usadas, mas sempre partindo de um texto, de um contexto, ampliando letramentos e possibilitando a aprendizagem significativa e crítica em diferentes contextos sociais permeados pela oralidade, pela escrita e por outras linguagens.

Dessa forma, é possível potencializar a aprendizagem dos estudantes, tornando-os aptos a participar ativamente da sociedade em que vivem.

A escrita é capaz de “escavar escuros e iluminar”. Iluminar o indivíduo, a sociedade, os pensamentos, o desejo de construir um mundo melhor…

Projeto de Meio Ambiente do Colégio Stocco



Empoderando estudantes para a Cidadania Global

Em nossa Unidade da Educação Infantil, realizamos a formação contínua do corpo docente por meio de práticas que envolvem o estudo das metodologias ativas, assim como a exploração dos espaços diversificados, tais como Milharal, Cafezal, Canavial, Hortas, Pomares, entre outros, a fim de que cada professor reflita sobre como potencializar as possibilidades do processo ensino e aprendizagem dos estudantes para que esses construam conceitos de maneira autônoma e participativa.

Essas são as propostas de manejo do meio ambiente aplicadas aos privilegiados 27mil m2 do Stocco.

O apoio técnico ao projeto de meio ambiente é feito por agrônomos contratados pela escola:

• Flora Castellano, Mestra em Agroecossistemas, Economia Agroalimentar e Meio Ambiente;


• Marcelo Noronha, especializado em Gestão Ambiental, Agricultura Urbana e Orgânica e Compostos Orgânicos.

Eles desenvolvem um trabalho essencial com nossos educadores e estudantes. Desde o Infantil, os pequenos percebem o quanto estão inseridos no meio e, por esta razão, precisam conhecer a diversidade ambiental.

Relevância do projeto de meio ambiente para a construção da cidadania global

Ao longo da trajetória escolar, os projetos de meio ambiente são fundamentais para a construção de uma consciência cidadã global. E, para este objetivo, propomos aos estudantes em nossa metodologia ativa atividades que permitam a eles:

• Perceberem a interdependência global;

• Desenvolverem o respeito à natureza;

• Valorizarem atitudes relacionadas ao bem estar individual e coletivo;

• Aprenderem a pensar cientificamente ao levantarem hipóteses e analisá-las;

• Aprimorarem diariamente sua capacidade de observação partindo da identificação e comparação de plantas, hortaliças, legumes, frutas e bichinhos de jardim.

O projeto de meio ambiente na prática

Em 2019, ampliamos os projetos da Roça de Milho e do Minhocário e com eles aprendemos a gestão de resíduos orgânicos e produção de adubo. Semanalmente, os estudantes participam de: preparo da área de plantio e linhas de plantio com cobertura do solo, semeadura do milho, acompanhamento do crescimento, saúde das plantas, sistema de irrigação, observação das minhocas, constatação da decomposição dos resíduos orgânicos, retirada e armazenamento de adubo orgânico e chorume e utilização de adubo na jardinagem e outros plantios do Colégio.

Para nós, ensinar as Ciências Naturais e Humanas é empoderar os estudantes para melhorar o mundo, atuando como cidadãos globais que pensam de maneira crítica e reflexiva, inseridos diariamente em atividades significativas e desafiadoras, em consonância com nossa proposta pedagógica elaborada para cultivar a capacidade de agir de forma responsável, criar, inventar e inovar, segundo o modo de pensar típico da Ciência.

Horta
Roça de milho

Outros projetos com foco na construção de uma consciência global são desenvolvidos pelo Stocco. Destacamos a recente substituição em toda a escola de copos descartáveis e canudos plásticos por alternativas de menor impacto. Clique no link e veja como isso aconteceu: https://stocco.com.br/novidades/copo-descartavel-seus-impactos-e-suas-alternativas/

Confira mais um pouquinho do projeto no vídeo abaixo:


Projeto de Meio Ambiente do Colégio Stocco

Escola Bilíngue? International School? Programas Especiais? O que escolher na hora de aprender idiomas?



Veja a seguir o que é Escola Bilíngue, International School e Programas Tradicionais de Idiomas. Entenda as diferenças e conheça o programa diferenciado do Colégio Stocco para o ensino de línguas estrangeiras.

A necessidade imediata de inclusão no mundo globalizado tornou urgente o aprendizado de línguas estrangeiras e isto fez surgir muitos e diferentes programas de ensino de idiomas. Mas como saber qual o melhor?

O que são escolas bilíngues?

Escolas bilíngues são aquelas que proporcionam aos seus estudantes as competências necessárias para usar duas ou mais línguas em situações acadêmicas, ou seja, usa o idioma como instrumento para aprender outros conteúdos.

Este tipo de escola deveria trabalhar com pelo menos 50% de sua grade curricular utilizando a língua estrangeira como ferramenta para ensinar conteúdos.

Matemática, ciências humanas, naturais, tecnologia e artes são as matérias mais trabalhadas pela dinâmica bilíngue e isto deve acontecer sem prejuízo ao conteúdo obrigatório.

Para que isso seja possível a carga horária tem que ser estendida, o que muitas vezes não ocorre em nossa realidade.

No Brasil, a lei só reconhece como escolas bilíngues as escolas de fronteira, as escolas indígenas e escolas de surdos.

Escolas internacionais (International School)

Escola internacional ou international school é a instituição que utiliza como base o currículo, a proposta pedagógica e a língua do país de origem da escola.

Há alguns anos atrás, era muito comum que as escolas internacionais fossem frequentadas por filhos de pais estrangeiros, hoje, a opção de muitas famílias mudou e há cada vez mais crianças brasileiras nestas escolas.

Algumas escolas internacionais trabalham com o currículo nacional integrado ao estrangeiro e algumas matérias como Atualidades, História ou Geografia são dadas em português; outras incluem apenas Língua Portuguesa a seus currículos internacionais.

As escolas internacionais seguem o calendário de seus países de origem.

Tanto na escola internacional como na escola bilíngue, o inglês é apenas uma ferramenta de aprendizagem para novos conteúdos, já na escola de idiomas o inglês é o conteúdo a ser aprendido.

Escolas bilíngues e escolas internacionais são diferentes?

Por falta de regulamentação nacional, muitos modelos de escolas bilíngues foram criados, o que nem sempre garante um aprendizado em alto nível, como deveria.

As escolas bilíngues e as escolas interacionais se diferem quanto aos objetivos, às características de seus estudantes, ao tempo de instrução na escola usando as línguas envolvidas e às abordagens e práticas pedagógicas.

Assim, o que se torna relevante não é como a instituição se intitula, mas sim o nível de proficiência que o estudante irá atingir ao final do curso.

O programa de inglês do Colégio Stocco

Em vez de escolher um título, como as bilíngues e internacionais, o Colégio Stocco prefere investir esforços em um programa forte de aprendizado.

Para atingir melhores níveis de proficiência, nossos estudantes iniciam os estudos do idioma no Infantil 3 e ao chegarem ao 9º ano já estão utilizando material de ensino médio.

Para os estudantes do Infantil, respeitamos as especificidades do processo de aprendizagem, por isso criamos um ambiente lúdico, de ensino gradativo e práticas discursivas condizentes com sua realidade.

Procuramos envolver o aprendiz em um contexto rico de vivência na língua estrangeira, no qual o professor cria o máximo de oportunidades para que a língua esteja presente no cotidiano escolar.

Para o 1º e 2º ano, além destas praticas, iniciamos o processo de letramento.Trabalhando sempre com temas contextualizados, transformamos a aquisição da leitura e da escrita em um método prazeroso e criativo, sempre respeitando o tempo de aprendizagem desta faixa etária.

A partir do 3º ano, a estruturação da língua se faz presente e as quatro habilidades para o aprendizado de uma língua estrangeira são trabalhadas simultaneamente – ler, escrever, falar e compreender a nova língua.

Com a tecnologia disponível em todas as salas de aula, nossos estudantes estão expostos a vídeos, textos, jogos e às mais variadas e atualizadas estratégias de ensino.

O material de apoio do Colégio Stocco

Nosso material é importado, das mais renomadas editoras internacionais, o que garante maior qualidade dos áudios e vídeos, além de atualizações constantes, apoio de plataformas didáticas e treinamentos para nossos professores.

Ebooks também fazem parte do material, o que facilita ao estudante as práticas de listening e comprehension dentro e fora da sala de aula.

Espaços diversificados para as aulas

O dia a dia nossas aulas acontecem em diversos ambientes ampliando a exposição de nossos estudantes à língua: na Digital Land, no auditório, no Ateliê de Artes e no espaço Maker.

Participamos das apresentações de teatro do grupo The Performers, temos Day Camp com imersão total no idioma.

Para assegurar a prática efetiva do idioma, nossos alunos participam de intercâmbio internacional para destinos culturais diferenciados, como Escócia, York e Buckingham, e para o programa exclusivo da NASA, nos EUA.

Nível de proficiência do programa do Stocco

No último ano do ensino Fundamental II, nossos estudantes utilizam material de ensino médio – nível B2 no Common European Framework, o que significa que o estudante do 9º ano do Colégio Stocco estará apto a prestar os exames PET ou FCE de Cambridge.

Certificando nossa grade curricular, está a Universidade de Cambridge. Nosso colégio é centro preparatório dos exames da Cambridge e todo final de ano oferece os exames para nossos estudantes.

A certificação Cambridge abre caminho para a formação de nossos cidadãos globais, já que esses certificados internacionais são aceitos por mais de 20.000 universidades, empregadores e governos no mundo todo podem abrir as portas para a educação superior.

Parceria com a Red Balloon

Para aqueles que desejam acelerar ainda mais o processo de aprendizagem da língua, contamos com a parceria da Red Balloon.

A escola se destaca por oferecer o ensino de inglês por meio de atividades artísticas, culinária, teatro, música e muita cultura, que ajudam os estudantes a desenvolverem sua autonomia e autoconfiança.

O método Red Balloon oferece uma carga horária adequada para atingir a fluência no idioma, o material é exclusivo, e foi criado pensando em cada fase da criança e do adolescente entre 3 e 17 anos.

Por que aprender outros idiomas na infância é importante?

Diversos estudos internacionais nas áreas de Neurociências e Educação apontam para os benefícios da aquisição precoce da segunda língua.

Pesquisas mostram o desenvolvimento das funções executivas, indicando maior habilidade para planejamento, organização e execução de múltiplas tarefas, melhora na comunicação, mesmo na língua materna, maior desenvolvimento cognitivo, capacidade de pensar criticamente (especialmente High Order Thinking Skills) e consciência cultural.

Esses estudantes tendem a ser mais criativos e têm uma maior flexibilidade mental.

Outras pesquisas apontam para a acuidade auditiva, pois as crianças percebem os sons com mais facilidade e clareza e por ainda estarem desenvolvendo seu aparelho fonador, a habilidade de reproduzir esses sons com perfeição é muito maior que de um adulto falante.

O diferencial do Stocco é respeitar o ritmo e o desenvolvimento do estudante, oferecendo aulas dinâmicas e sempre utilizando ferramentas e ambientes diversificados para garantir a qualidade das aulas e de nosso programa.

O diferencial não é se intitular como escola bilíngue, mas sim garantir ao final do processo um inglês proficiente sem prejuízo aos demais conteúdos.

No Colégio Stocco o inglês conversa com todas as demais matérias, em projetos ou atividades comuns, desenvolvendo competências cognitivas e socioemocionais necessárias para a formação do cidadão global.

Confiram o vídeo abaixo:

Matemática não é problema!


Atividades em sala, desafios com muitos cálculos, provas com solução de problemas, grandes competições, Olimpíadas! Aprender Matemática pode causar muito medo por aí, mas não no Colégio Stocco.

No Stocco, o ensino da Matemática vai muito além de simplesmente encontrar resultados corretos para situações-problema e exercícios, por meio do uso de técnicas e fórmulas ensinadas por nossos docentes.

Centramos nosso trabalho no desenvolvimento da capacidade dos estudantes de resolver problemas, analisar dados e aplicar os conteúdos matemáticos em situações do cotidiano, dando significado ao que é aprendido e tomando atitudes criativas e inteligentes no dia a dia.

O currículo é organizado de tal forma que é possível revisitar os conteúdos, ampliá-los e aprofundá-los ao longo dos anos. Nenhum deles é visto como um fim em si mesmo! Não são apresentados de forma pronta nem mecânica. Há um processo, um percurso a ser seguido por estudante e educador, sendo que, nessa interação, se constrói o fazer matemático.

Várias estratégias de resolução, registros diversos, justificativas, estimativas, cálculo mental, diferentes possibilidades, selecionar informações, tomar decisões, construir argumentações são alguns dos princípios presentes em nosso ensino, que permitem o estudo dos diferentes objetos de forma dinâmica e o desenvolvimento das habilidades de pensamento.

Dessa forma, o conhecimento matemático é visto como uma ferramenta que contribui para ler, compreender e transformar a realidade, potencializando a aprendizagem de nossos estudantes e tornando-os ativos na escola e, também, fora dela.

Matemática forte é o que temos em nossa instituição!

Forte por tornar o estudante protagonista! Forte por significar e ressignificar conceitos e conteúdos aprendidos! Forte por ser dinâmica e construída com diferentes ferramentas e recursos tecnológicos. Forte por formar cidadãos aptos a tomar decisões inteligentes em situações financeiras. Forte por possibilitar a leitura e a interpretação de gráficos e tabelas, permitindo estimativas, inferências a partir de análise de dados, estratégias de resolução, argumentação e exposição de ideias. 

Muito mais que apenas conteúdos, a Matemática em nosso Colégio é considerada uma ciência viva, por meio da qual raciocínio lógico, autonomia e criatividade são fundamentais.

Copo descartável: seus impactos e suas alternativas



Diante de tantas informações e circunstâncias, qual importância de conscientizar nossos estudantes a zelar pelo meio ambiente?

Nos últimos anos, nos deparamos com situações melancólicas e com o descaso em relação ao planeta Terra.

Pensando nisso, nós do Colégio Stocco iniciamos a campanha contra o copo descartável dentro do nosso espaço escolar.

Sabemos que a tarefa é árdua! O costume e a praticidade dificultam a evolução do projeto, mas precisamos iniciar com a semente do bem.

Por que o Colégio Stocco trocou o copo descartável por copos individuais?

Em conversa com nossos estudantes, explicamos que o copo descartável é o resíduo sólido urbano de maior potencial para reciclagem no mundo. O Brasil produz cerca de 100 mil toneladas de copos plásticos por ano, mas, infelizmente, as práticas de descarte são inadequadas ao meio ambiente.  De acordo com o relatório do Programa da ONU, produtos plásticos, como talheres, copos e embalagens de comida, formam 80% do lixo marinho.

            Os copos de plástico descartáveis são produzidos a partir de poliestireno, componente derivado do petróleo, que é uma fonte não renovável de matéria-prima. Produtos fabricados a partir desse material não são biodegradáveis, fazendo com que o tempo no meio ambiente seja muito longo, levando mais de 450 anos para serem decompostos pela natureza.

Existe alguma alternativa? Várias, para a nossa sorte, e precisamos cada vez mais buscar por elas. Por isso, seguem algumas dicas abaixo:

  • Ande sempre com o seu copo reutilizável dentro da bolsa;
  • Seu copo reutilizável pode ser de inox, vidro, porcelana ou até de plástico durável;
  • Na escola, adote uma caneca ou copo para chamar de seu;
  • Na sua vida social, opte por copos duráveis. Caso o restaurante/lanchonete ofereça de plástico descartável, peça um de vidro e explique o motivo pelo qual você está fazendo esta troca, às vezes rende até uma boa conversa sobre o assunto.

Quer saber uma curiosidade?

Nos EUA, especificamente em Nova Iorque, já existem copos comestíveis. A fórmula é de gelatina, e se o consumidor não quiser comer, poderá adubar suas plantas.

Depois de todas essas informações, a reação dos estudantes com o Projeto nos surpreendeu. Percebemos que houve um engajamento com a proposta. Acreditamos que tudo seja uma questão de hábito e estamos no caminho certo para isso.

 

Usina fotovoltaica do Colégio Stocco



Uma iniciativa de produção e uso de bioenergia sustentável

Não há quem visite o Stoquinho e não se encante imediatamente com as belezas naturais conservadas no interior do seu ambiente: pomares, hortas, bosques, jardins, gramados e muito espaço de fruição.

É nesse espaço natural que a aprendizagem acontece e logo a criança está explorando, pesquisando, aprendendo e desenvolvendo o seu pensamento. Acreditamos que o meio favorece e estimula o conhecimento, alimentando o desejo natural em aprender.

Os sentidos são aguçados no Stoquinho e, junto deles, novas percepções associam-se à inteligência dos estudantes, dos professores, dos funcionários, dos dirigentes…

A luz do verão traz tanto brilho nos espaços gramados que no passado inspirou Dona Nena, cofundadora do Colégio Stocco, a compor diversos poemas sobre a natureza, sobre o sol, sobre as flores. Esses poemas sussurraram ideias à nova geração stoqueira; e belo dia… um insight: – Com tanto espaço e sol, por que não gerar a própria energia elétrica e tornar-se autossustentável? 

Acreditamos que seja possível contribuir para a proteção do planeta, gerando e consumindo bioenergia sustentável. Tendo tomado como referências o Acordo de Paris e a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) brasileira, das quais têm como objetivo o combate ao aquecimento global, propusemos o próprio engajamento no aumento da participação da geração e consumo de energia derivada de recursos renováveis e abundantes. Nossa opção foi investir de forma arrojada em energia solar.

A energia solar é proveniente da luz e do calor do sol, sendo considerada uma fonte de energia renovável e sustentável. Ela é aproveitada e utilizada por meio de diferentes tecnologias, tal como o aquecimento solar, a energia solar fotovoltaica, a energia heliotérmica e a arquitetura solar.

A Associação Nacional de Energia Elétrica – ANEEL expediu a resolução normativa 482/12 que estabelece as condições para acesso de microgeração e compensação de energia elétrica, favorecendo e encorajando o investimento em geração de energia elétrica pelo sistema fotovoltaico. O excedente de energia produzido, principalmente em época de férias escolares, feriados ou finais de semana, não é desperdiçado, nem tampouco são requeridos investimentos em baterias para armazenamento, haja vista que a sobra de energia é entregue à concessionária por meio da rede de distribuição pública de eletricidade, gerando créditos que retornam sem ônus no período que se fizer necessário.

A opção do Stocco foi construir uma usina fotovoltaica sobre a laje da Unidade 2 do nosso Colégio, pois havia condições imensamente favoráveis para sua instalação, tais como ausência de sombreamentos, irradiação solar face norte e as dimensões oportunas.

O processo de se obter energia elétrica por meio da luz solar é chamado fotovoltaico. A palavra “fotovoltaico” é um neologismo, justapondo-se o termo grego φως (fos) que significa “luz”, ao “volt” –  unidade de força eletromotriz. “Volt”, por sua vez, vem do sobrenome do físico italiano Alessandro Volta, inventor da pilha, finalizando com o sufixo latino “ico”, que exprime ideia de semelhança.

Fotovoltaico é definido por um efeito que se trata do surgimento de uma diferença de potencial nas extremidades de um material semicondutor, tal como o silício, do qual se produz energia elétrica pela retenção da luz. A célula fotovoltaica é a unidade fundamental para esse processo.

Enquanto os combustíveis fósseis produzem poluentes, o processo de geração a partir do sistema fotovoltaico não emite gases nocivos à saúde que contribuem para o aquecimento global.

 

 

 

 

 

 

 

A usina visa reduzir em quase 100% os custos com energia elétrica das Unidades 1 e 2, conforme demonstra o gráfico:

A produção é gerada em corrente contínua, e um dispositivo chamado inversor converte a energia contínua em energia alternada. Acompanhe o esquema desenhado pela empresa Potenza de energia fotovoltaica, construtores da nossa usina:

Após a instalação de 157 painéis fotovoltaicos monocristalinos e o aparelho inversor, o último dispositivo a ser instalado é o medidor bidirecional, o famoso “relógio de luz” que, nesse caso mensurará não só o consumo, mas também a entrega de eletricidade à concessionária.

A usina fotovoltaica será estudada, a seu tempo, pelos nossos próprios alunos com seus professores, pois envolve conceitos em diversas áreas do currículo escolar, tais como física, matemática, geografia, entre outras.

É o Colégio Stocco fazendo sua parte para o bem do nosso planeta!

 

Para saber mais:

www.aneel.gov.br/geracao-distribuida

www.absolar.org.br/

www.mma.gov.br

                                                              INAUGURAÇÃO EM MARÇO

Renovando Compromissos Digital 2019



Prezadas famílias,

O Colégio Stocco inova a cada dia.

Este ano vocês puderam acompanhar todas as reformas e reestruturação em nossos espaços físicos.

Por meio do nosso Renovando Digital, compartilhamos todas as nossas inovações e mudanças nas propostas para o Ensino Fundamental para o ano de 2019.

Realizem o download do arquivo em um dos seus dispositivos e conheça o que preparamos para nossos Stoqueiros.

Renovando Compromissos Digital 2019

Do plantio à colheita: crianças da Educação Infantil vivenciam processos produtivos agrícolas



Estudantes de 1 a 6 anos, do Stoquinho, aprendem regras sociais de valor, respeito e cooperação em ações de integração com a natureza.

Colocar a mão na massa, ou melhor, na terra, é a especialidade dos estudantes do Stoquinho. A maioria das brincadeiras acontece ao ar livre, em parquinhos na areia, pula-pula em pneus, tobogã no meio de árvores, esconde-esconde na casa do Tarzan, mas o momento mais esperado é quando as crianças arregaçam as mangas para participar ativamente de processos de plantio, cultivo e colheitas.

Em meio a uma área de 27 mil m² de área verde, alunos de 1 a 6 anos são convidados a interagir diariamente com diversos elementos da natureza, explorando sensações, cheiros e sabores. Tudo acontece com o acompanhamento de um engenheiro agrônomo, que prioriza as atividades de acordo com a faixa etária e as necessidades de aprendizado nessa fase.

(Crianças se divertindo no tobogã)

Viver o processo é a premissa de todas as ações, independentemente da idade. Aos 5 e 6 anos, por exemplo, as crianças estudam sobre a cana e o café e desenvolvem propostas em nosso canavial e cafezal. “Há um momento em que uma pessoa, vestida de boia-fria, aparece para conversar com elas e contar como é o dia a dia em uma plantação. Os olhinhos dos pequenos até brilham de tanta realização”, conta Marta Mergulhão, coordenadora pedagógica do Stoquinho. “As crianças precisam entender que sobrevivem com o que plantam. Necessitam conhecer a origem, por exemplo, daquele açúcar comprado em saquinho no supermercado”, comenta ela.

(Canavial do Stoquinho)

Quando o assunto é café, os alunos estudam sobre plantio, cultivo, tipos de café, formas de colheita, secagem e torragem. “Todos aprendem a usar o pilão, moer o café e participam ativamente do processo de torragem”, descreve Marta.

Em relação às crianças mais novas, os primeiros contatos e vivências compreendem a apresentação das plantas como um ser vivo e a necessidade delas em receber água, sol e orvalho. Com 2 anos, o tradicional plantio de feijão em copinho, dá lugar ao plantio na própria terra, sujando literalmente as mãos e relacionando o crescimento da planta com aquele simples plantio da semente. Já aos 3 anos, o objeto de estudo é a bananeira e todas as suas particularidades. E, aos 4 anos, diversos projetos sobre sementes, adubos e até uma minhocaria na própria terra.

(Crianças observando e cuidando das flores)

Fátima Gongora, também coordenadora pedagógica do Stoquinho, acredita que as experiências são enriquecedoras para a primeira infância. “As crianças ganham, por meio de cada vivência, uma consciência natural sobre cuidados com a natureza e a importância de preservá-la, além de enraizar atitudes colaborativas, de respeito ao outro e ao seguimento de regras ao participar de atividades em grupo e de convívio social”, diz ela.