Cuidados com a saúde mental em tempos de Coranavírus – COVID-19


Orientações saude mental Covid-19 colégio stocco Santo André

Preocupadas com a saúde mental das famílias e estudantes do Colégio Stocco, as Orientadoras Educacionais Lucienne Baroni e Marina Fernandes elaboraram um material com dicas de como seguir com a quarentena de maneira saudável. Confiram, também, a matéria realizada pelo Jornal Joca sobre “Como lidar com a ansiedade durante a quarentena?” com depoimentos de nossos estudantes (https://bit.ly/3eFBCzb).

Reorganização da Rotina Diária

Foto de agenda para demonstrar uma forme de organização das rotinas diárias

Todos os dias, quando não estávamos em quarentena, tínhamos nossa rotina diária. Com horário para o trabalho/ estudo,  almoço, café, intervalos, atividades físicas etc.

Agora é hora de reorganizar a rotina para as necessidades atuais e dentro do que é possível.

É importante ter um horário para acordar, de preferência não tão tarde para que não se tenha a sensação de ter “perdido” toda a manhã,  arrumar a cama e tomar um café da manhã com tranquilidade.

Separar um tempo para praticar exercícios físicos e se alimentar de forma correta também é fundamental.

Outro ponto que ressalta a importância da organização da rotina é o ócio. Quando temos muito tempo livre, acabamos deixando as atividades que gostaríamos de fazer para depois, mas quando caímos em si, passaram-se dias e nada foi feito. Por isso, para a maior sensação de bem-estar e produtividade, é necessário que haja uma programação das atividades diárias.

Exercícios Físicos

Manter a atividade física é primordial neste momento de quarentena, pois tendemos a ficar mais preguiçosos, parados e sentados. 

No entanto, o comportamento sedentário pode trazer prejuízos para nossa saúde e qualidade de vida, bem como, ocasionar aumento de stress e sintomas de ansiedade e depressão.

Atividades físicas e técnicas de relaxamento são consideradas formas valiosas para acalmar e proteger sua saúde durante este tempo de isolamento.

A seguir, algumas sugestões para se exercitar, sem equipamento especial e com espaço limitado:

-Atividades simples durante o dia

Dançar, brincar com as crianças, animais de estimação e realizar tarefas domésticas, como limpeza e jardinagem, são meios para manter-se ativo em casa.

-Aulas de exercícios online

Aproveite as aulas de exercícios online. Muitas delas são gratuitas e podem ser encontradas no Youtube ou em outros aplicativos que ajudam no treino. Seguem os nomes de alguns deles:

  • Nike Training Club.
  • Workout Trainer.
  • Pocket Yoga.
  • Jefit Pro.
  • Freelitics.

Levante-se

Reduza seu tempo sedentário, levantando-se sempre que possível; o ideal é interromper o tempo sentado ou reclinado a cada 30 minutos.

Alimentação Saudável

Foto de alimentos saudáveis para cuidados com a saúde

Para uma saúde ideal,  é importante lembrar de alimentar-se de forma saudável e manter-se hidratado. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda beber água ao invés de bebidas açucaradas. Garanta o consumo de frutas e vegetais e diminua a ingestão de sal, açúcar e gordura. Prefira grãos integrais ao invés de alimentos refinados.

Sono: o alicerce para uma vida saudável

O sono não serve somente para relaxar. É muito importante dormir oito horas diárias, pois durante este período, além de descansar, o corpo trabalha para manter o equilíbrio do sistema imunológico, endócrino, neurológico e de diversas outras funções.

Durante o sono, o corpo diminui a produção de cortisol e adrenalina ajudando a:

  • Diminuir o stress.
  • Controlar o apetite.
  • Melhorar o humor.
  • Ativar a memória.
  • Estimular o raciocínio.
  • Rejuvenescer a pele.

Comunicação

O isolamento por conta da transmissão da Covid-19 deve ser físico, ou seja, não se pode sair para rua nem se encontrar presencialmente com os familiares e colegas de classe/ trabalho. No entanto, a distância física não deve impedir o contato com as pessoas de quem gostamos.

Em relação aos amigos, é interessante marcar sessões de bate-papo, seja por meio de lives no Google Meet, Zoom ou até mesmo Whats-App. É importante falar sobre o que vocês têm feito em sua rotina, pois a troca é sempre saudável. Jogos, com todos juntos, também é uma boa opção.

Os mais velhos precisam muito de atenção, cuidado e carinho, por isso, não deixe de ligar para os avós, eles se sentem solitários no dia a dia. Se necessário, ofereça ajuda com a tecnologia, como por exemplo, fazer uma ligação por vídeo e ver notícias pela internet.

Por último, e o mais importante, compartilhe o sentimento de vocês com outras pessoas de confiança. Pode ser marido, pai, mãe, avós, tio, tia, amigos, orientadora educacional, professores, psicóloga etc. O imprescindível é expressar os sentimentos e não se isolar socialmente.

Foto: chamada por vídeo para comunicação com a família

No Colégio Stocco, os estudantes podem contar com o apoio e acolhimento das Orientadoras Educacionais pelos e-mails: lucienne.baroni@stocco.com.br estudantes do 3º ao 5º ano marina.fernandes@stocco.com.br estudantes do 6º ao 9º ano.

Em casos de problemas psicológicos mais sérios causados pelo afastamento físico e social, procure ajuda especializada.

Segue cartilha para enfrentamento do stress em tempos de pandemia: https://portal.coren-sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/Cartilha-Psicovida.pdf

Produtividade

Sentir-se produtivo faz bem, proporciona um sentimento de bem-estar e utilidade. Por isso, a primeira dica importante é ajudar nas tarefas de casa: arrumar a cama, quarto, ajudar a colocar a mesa, tirar o lixo do seu banheiro são tarefas fáceis, importantes e produtivas.

Criar algo diferente na rotina como: cozinhar, desenhar, escrever, fazer artesanato, ou qualquer tipo de criação que tenha um produto final, também dá a sensação boa de “missão cumprida”. Ler livros, contos e revistas também é interessante para a imaginação, ampliação do repertório linguístico e conhecer novas culturas.

No entanto, para que isso seja realmente possível é importante planejar a rotina.

Informação em tempos de crise

Estar informado em tempos de crise  é fundamental. Contudo, é importante cuidar da qualidade e do volume das informações que se consome.

Não é necessário deixar a televisão ligada no canal de notícias que se repetem, quase sempre negativas, causando sentimentos ruins em quem assiste. É importante se atualizar das notícias diariamente, mas em um curto período de tempo você consegue fazer isso, lendo um jornal ou assistindo a um jornal específico.

O Colégio Stocco tem parceria com o Jornal Joca, que disponibiliza notícias com linguagem acessível à crianças e adolescentes.

Outro aspecto que merece atenção é a fonte das informações. É necessário ter cuidado ao acreditar em mensagens recebidas por WhatsApp. Verifique sempre a fonte, antes de acreditar ou repassar uma informação.

Respirar e tomar sol

Exercícios de respiração são mundialmente conhecidos para controlar sentimentos ruins como ansiedade e medo, criar uma rotina na qual haja tempo para trabalhar a respiração por meio de técnicas específicas, que podem ser encontradas em canais de Meditação, Yoga, MindFullness trará benefícios para a saúde mental em vários momentos da vida.

Tomar sol é um bem necessário para ativar a vitamina D no organismo. É preciso de 15 a 20 minutos de sol em qualquer parte do corpo para a vitamina atuar em nosso organismo, ajudando a fortalecer a imunidade. Jamais tome suplemento vitamínico sem consultar um médico.

Dessa forma, o ideal é que  trabalhe a respiração e tome sol.  15 minutos por dia pode mudar a sua vida, proporcionando aumento da imunidade e sentimentos positivos de bem-estar, tranquilidade e confiança. 

Referências

https://jornal.usp.br/ciencias/como-reorganizar-a-rotina-pode-ajudar-sua-saude-psiquica-na-quarentena/

http://www.euro.who.int/en/health-topics/health-

http://www.euro.who.int/en/health-topics/health-emergencies/coronavirus-covid-19/novel-coronavirus-2019-ncov-technical-guidance/stay-physically-active-during-self-quarantine

https://oglobo.globo.com/sociedade/quarentena-virtual-formas-criativas-de-manter-rotina-mesmo-distancia-em-tempos-de-coronavirus-1-24311640

https://portal.coren-sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/Cartilha-Psicovida.pdf

https://saude.abril.com.br/medicina/vitamina-d-para-evitar-o-novo-coronavirus-faz-sentido/

Coronavírus: A Corrida pela Cura


Orientações do Colégio Stocco de Santo André sobre o Corona Vírus ou COvid-19

Diante das calamidades causadas pelo novo Coronavírus em todo o mundo, nas esferas social, econômica e da saúde, o Stocco trouxe para vocês um arrazoado de notícias atualizadas do mundo da ciência sobre algumas ações desenvolvidas por pesquisadores brasileiros e internacionais na busca pela cura da doença.

À medida que o Coronavírus COVID-19 continua causando estragos em diversas esferas (sociais, econômicas e da saúde) pelo mundo todo, muitos pesquisadores estão focados na compreensão do vírus para desenvolver estratégias que possam detê-lo. Uma das apostas mais otimista é o desenvolvimento de uma vacina, substância composta por agentes patógenos mortos ou atenuados, tendo como função estimular uma resposta imunológica do organismo que passa a produzir anticorpos, mesmo sem ter contraído a doença. É uma estratégia semelhante a descobrir o ponto fraco do inimigo antes da guerra começar.

Qual o status do processo de desenvolvimento da vacina contra o Coronavírus?

Ainda não existem vacinas que protejam as infecções por Coronavírus, seja pelo SARS-CoV-2 ou pelos que causam SARS e MERS. Todos esses pertencem a uma mesma família de vírus semelhantes, Coronaviridae, com genoma de RNA simples e estrutura física semelhante a uma coroa, causadores de doenças respiratórias em seres humanos e até mesmo em animais.

No caso do novo Coronavírus, é exatamente a coroa, ou também chamada de espícula, a parte que penetra na célula hospedeira, permitindo a infecção.

Foto por microscopia eletrônica do Coronavírus COVID-19 Fonte: https://bit.ly/2VAQxSN

Uma vacina contra o Coronavírus entrará em testes no Brasil em breve

Pesquisadores brasileiros, da Universidade de São Paulo (USP), levaram em conta essa estrutura para a fabricação de uma vacina que entrará em testes dentro de alguns meses. A mesma é baseada na criação de uma partícula semelhante ao Coronavírus, o VLP (virus-like particle, em inglês). Trata-se de um vírus oco, contendo somente a coroa (espícula) sintetizada in vitro e sem o material genético, sendo capaz de causar uma forte resposta imunológica do organismo, sem a transmissibilidade da doença. A abordagem para encontrar as partes virais mais importantes na indução da resposta imunológica é semelhante à utilizada na fabricação de vacinas de Ebola, que bloqueiam, por meio da resposta imune, a interação do vírus com a célula hospedeira.

Foto demonstrativa do Ebola

Pesquisadores americanos desenvolvem outra forma de vacina contra o Coronavírus

Outra iniciativa promissora foi publicada recentemente no Journal mBio, Jornal da Sociedade Americana de Microbiologia. Uma equipe de pesquisadores americanos descreveu uma vacina contra o vírus MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), que teve o início de seu surto em 2012. Em abordagem diferente da brasileira, foi usado um vírus de RNA, chamado de Parainfluenza 5 (PIV5) que causa uma condição conhecida como tosse do canil em cães, mas é inofensivo para pessoas. Um gene extra foi adicionado ao vírus com intuito de que as células do hospedeiro produzissem a glicoproteína S, também presente na coroa desse novo Coronavírus. Os testes de laboratório desses pesquisadores mostraram que uma dose única administrada desencadeou respostas imunes contra a proteína no hospedeiro animal. Todos os ratos imunizados com o vírus PIV5 modificado sobreviveram à infecção, mostrando que a vacina intranasal foi eficaz na imunização.

Esse protocolo de sucesso americano será replicado em uma corrida contra o tempo para a fabricação de uma vacina eficaz contra o SARS-CoV-2. Um dos cientistas participantes do estudo, pneumologista pediátrico e expert em Coronavírus, Dr. Paul McCray escreveu: “Cem por cento da população não será exposta ao vírus na primeira vez, o que significa que haverá mais pessoas para infectar quando ele voltar”, disse ele. “Ainda não sabemos se as pessoas têm imunidade duradoura contra a infecção por SARS-CoV-2, por isso é importante pensar em maneiras de proteger a população”.

Pesquisadores debatem sobre a possibilidade de medicamentos já existentes ajudarem a combater a COVID-19

Medicamentos já existentes para outras doenças também poderiam ser testados para o combate da COVID-19. Pesquisadores do mundo todo estão correndo contra o tempo para provar que uma determinada droga seria segura e eficaz contra a COVID-19. Uma das estratégias para acelerar esse processo tem sido avaliar os potenciais efeitos terapêuticos de medicamentos clinicamente aprovados e já usados contra outras doenças.

Estima-se que aproximadamente 70 fármacos e compostos experimentais tenham algum efeito sobre o SARS-CoV-2, entre eles a cloroquina e a hidroxicloroquina. Em particular, o Laboratório Phenotypic Screening Platform, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, começou no início de abril a testar cerca de 1.500 fármacos, em parceria com a Eurofarma, para combater a COVID-19. Esse laboratório da USP é referência mundial em triagem fenotípica para reposicionamento e descoberta de novos fármacos para doenças negligenciadas. Há cerca de 15 anos, se dedica ao descobrimento de fármacos para malária, leishmaniose, doença de Chagas e dengue, além de doenças emergentes, como chikungunya e zika.

Eles estimam que em cinco semanas já teriam os resultados dos testes de mais de 2.500 compostos, e a partir desse momento será possível testar até 4 mil compostos por semana. O projeto foi possível graças ao cultivo do novo Coronavírus feito pelo grupo do pesquisador Edison Luiz Durigon (ICB-USP), que recebeu amostras dos primeiros pacientes infectados no final de fevereiro, enviadas pelo Hospital Albert Einstein.

Maratona de testes de medicamentos para um tratamento eficaz

O atual interesse em torno dessas drogas já existentes teria nascido da repercussão de uma carta publicada por pesquisadores chineses no início de março na revista BioScience Trends (https://bit.ly/2xs8NFT), sugerindo que o fármaco seria capaz de inibir a proliferação do SARS-CoV-2 em indivíduos infectados em vários hospitais do país asiático. “O problema é que os autores dessa carta não divulgaram os detalhes dos dados que dariam suporte às suas afirmações, de modo que é impossível avaliar se os achados fazem sentido ou mesmo se é possível reproduzi-los”, destaca o médico e professor doutor Marcelo Urbano Ferreira, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).

A ideia é realizar testes com a hidroxicloroquina e o antibiótico azitromicina, além do antiinflamatório corticoide dexametasona, em 1.356 pessoas com a doença em 70 hospitais do Brasil. Entre eles, o Albert Einstein, o HCor e o Sírio-Libanês, além da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).  Os primeiros resultados devem ser divulgados entre 60 e 90 dias. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) irá acompanhar os desfechos dos estudos, bem como o cumprimento das boas práticas clínicas.

“Tudo indica que levará algum tempo até que tenhamos um medicamento seguro e eficaz contra a COVID-19”, comenta o farmacologista e professor doutor Gustavo Batista de Menezes, do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), “Isso porque, para ser testado adequadamente, o medicamento terá de passar por bons ensaios clínicos, o que demanda tempo e recursos humanos e financeiros.”

Nova ferramenta usando inteligência artificial contribui com dados para pesquisas e no combate às Fake News

Outro passo nessa corrida vem sendo desenvolvido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo. Uma nova ferramenta, baseada em inteligência artificial, permite rastrear e extrair dados de textos de notícias, obtendo informações sobre fatos e seus respectivos locais relacionados à pandemia, assim possibilitando a construção de modelos de propagação da doença. Chamada de Websensors (https://bit.ly/2ylBqEQ), sua metodologia é baseada em mineração de eventos estruturada em etapas, que vão desde a  identificação do problema, passando pela análise de dados e finalizando com o uso das informações selecionadas como relevantes. Isso permite ajustar os modelos preditivos já existentes, colaborando com as tomadas de decisões ao enfrentamento da pandemia da COVID-19. Além de abastecer os pesquisadores com dados, o Websensors também pode nos proteger das famosas Fake News tão largamente disseminadas na internet nesses períodos.

Foto por print screen da página inicial do site Websensors

A ciência é o motor que impulsiona a corrida pela cura

Esta pandemia traz à luz a importância da ciência para seu enfrentamento. Precisamos de olhares capacitados de cientistas e pesquisadores, para compreender a dinâmica da doença, seus dados e sua transmissão. Precisamos também de respostas novas para a mitigação dos impactos na sociedade.  A ciência é o motor que impulsiona a corrida pela cura, nos fazendo confiar num futuro melhor.

Colégio Stocco frente às medidas de prevenção do Coronavírus

Diante de todo o contexto em que estamos vivendo, o Colégio Stocco está em permanente atenção e atualizado sobre quaisquer modificações ou complementações que se apresentem frente às medidas de prevenção à expansão da pandemia e quanto às formas de minimizar impactos nas rotinas escolares, priorizando manter o alto nível do ensino e atendimento da escola e bem-estar dos estudantes e colaboradores.

Luis Alves

Professor de Ciências e Educação Tecnológica, Pós graduado em Metodologias Ativas pela IBFE-SP, Pós graduação em Produção e Criação de Mídias Digitais pela PUC-RIO, Membro da equipe de Educação Tecnológica do Colégio Stocco

Nathália Binder Damasceno

Professora de Ciências, Bacharel em Ciência e tecnologia pela UFABC, Licenciatura em Ciências Biológicas pela UFABC, Bacharelanda em Neurociências pela UFABC, Pós graduação em Educação inclusiva Braz Cubas, Cursando Pós graduação em Formação em Educação à distância pela Unip, Mestranda em Ensino e História das Ciências e da Matemática UFABC, Membro da equipe de Educação Tecnológica do Colégio Stocco

Vera Lucia Alfredo Hacker

Professora de Ciências e Química do Ensino Fundamental

Referências

– An effective CTL peptide vaccine for ebola Zaire based on survivors’ CD8+ targeting of a particular nucleocapsid protein epitope with potential implications for Covid-19 vaccine design, (doi.org/10.1101/2020.02.25.963546), de CV Herst, S Burkholz, J Sidney, A Sette, PE Harris, S Massey, T Brasel, E Cunha Neto, DS Rosa, WCH Chao, R Carback, T Hodge, L Wang, S Ciotlos, P Lloyd e R Rubsamen, pode ser lido no bioRxiv em www.biorxiv.org/content/10.1101/2020.02.25.963546v2.abstract.

– Estratégia de vacina contra ebola pode ser aplicada para coronavírus – Agência Fapesp. Link: http://agencia.fapesp.br/videos/#jvFOJ3Aukg4

– Inteligência Artificial rastreia notícias sobre COVID-19. José Tadeu Arantes Agência FAPESP. Link: http://agencia.fapesp.br/inteligencia-artificial-rastreia-noticias-sobre-covid-19/32902/

– Single-Dose, Intranasal Immunization with Recombinant Parainfluenza Virus 5 Expressing Middle East Respiratory Syndrome Coronavirus (MERS-CoV) Spike Protein Protects Mice from Fatal MERS-CoV Infection. Kun Li et al. mBio, DOI: 10.1128/mBio.00554-20. Link: https://mbio.asm.org/content/11/2/e00554-20

– Vacina em desenvolvimento na USP usa partícula semelhante ao coronavírus – Atualidades, Ciências da Saúde, Jornal da USP no Ar, Rádio USP Link: https://jornal.usp.br/atualidades/vacina-contra-coronavirus-em-desenvolvimento-na-usp-e-diferente-da-americana/

– Tratamento – Farmacologia – Link: https://revistapesquisa.fapesp.br/2020/03/31/corrida-por-um-tratamento-eficaz/

– GAUTRET, P. et al. Hydroxychloroquine and azithromycin as a treatment of Covid-19: Results of an open-label non-randomized clinical trial. International Journal of Antimicrobial Agents. mar. 2020.

– HU, T. Y., FRIEMAM, M. & WOLFRAM, J. Insights from nanomedicine into chloroquine efficacy against Covid-19. Nature Nanotechnology. mar. 2020.

– WANG, M. et al. Remdesivir and chloroquine effectively inhibit the recently emerged novel coronavirus (2019-nCoV) in vitro. Cell Res. v. 30, n. 3, p. 269-71. mar 2020.