Jardim Vertical – Estratégia bioclimática e paisagística, uma realidade no Colégio Stocco


Os jardins construídos em muros, paredes e outras estruturas verticais são tendência entre paisagistas e arquitetos quando o assunto é integração entre arquitetura e a natureza. Além de inovar com uma estrutura que torna o ambiente mais bonito e proporcionar um clima favorável, o Stocco também pensou em benefícios para os estudantes como o conforto térmico, isolamento acústico e também nos impactos ao meio ambiente, em que foi concebido um sistema de reutilização da água.

Com a intensificação do uso e ocupação do solo, uma das consequências negativas do acelerado desenvolvimento das cidades é a perda de áreas verdes e permeáveis ​​na estrutura urbana, bem como os inúmeros benefícios que a natureza pode trazer ao meio ambiente e à vida urbana. Desta forma, é muito importante encontrar espaços para o desenvolvimento de vegetação mesmo que em meio às turbulentas cidades.

Fachada Unidade 3
Fachada Unidade 3

Os impactos positivos dos espaços verdes nos entornos de construções verticais

Por menores que pareçam, a elaboração e o cuidado com esses espaços verdes podem trazer melhoria da qualidade de vida, reduzir a poluição ambiental, auxiliar na economia de energia e promover a manutenção e ampliação da biodiversidade local, amenizando assim os problemas provocados pela urbanização e crescimento da população.

Assim, os jardins verticais surgiram como uma alternativa para o incremento da vegetação nas cidades, sendo esta uma estratégia bioclimática e paisagística interessante, pois são adequados para a verticalização das cidades e são facilmente implantados no meio urbano.

 

O cultivo em paredes verticais na história da humanidade

Stanley White Hart em Seattle, Maio 1970
Stanley White Hart em Seattle, Maio 1970

Embora pareçam atuais, existem relatos da existência de jardins verticais em civilizações antigas há mais de 600 a.C. O professor Stanley White Hart, foi o idealizador moderno desse método de cultivo em paredes, destacando-se com seu primeiro projeto em 1938. Alguns anos depois, o botânico francês Patrick Blanc criou o termo jardim vertical e o patenteou.

 

A integração entre o urbano e o natural

Hoje o jardim vertical é considerado uma importante ferramenta para proporcionar melhor qualidade de vida aos residentes de seu entorno, sendo benéfico não só para a ecologia e estética, mas também para a saúde física e mental, contribuindo para o conforto acústico e térmico.

A construção de jardins verticais colabora diretamente com a redução dos impactos da urbanização e poluição ambiental, como é o caso das ilhas de calor,  problema sério nas grandes cidades, relacionada com a queima de combustível, em áreas asfaltadas, que provocam um aumento da temperatura média das cidades.

A vegetação ajuda a “refrescar” o edifício e seu entorno, pois, além da sombra, o conforto térmico é obtido pela liberação de água ao longo do processo de fotossíntese das plantas, melhorando a qualidade e a umidade do ar promovendo assim seu arrefecimento natural, reduzindo o consumo de energia elétrica de ventiladores e ar-condicionado, auxiliando na redução dos índices carbono, gerado pela queima de combustíveis.

Com todas essas melhorias, a fauna local também é beneficiada, encontrando um novo lugar para se alimentar, abrigar e se reproduzir, dessa maneira, ajudando a aumentar e proteger a biodiversidade urbana, atraindo para o meio ambiente várias formas de vida, como pássaros e insetos. 

Toda essa transformação cria um espaço harmonizado que auxilia na redução do estresse e na promoção de sensações de relaxamento físico e emocional.

O Jardim Vertical no Colégio Stocco

Nosso jardim vertical foi idealizado pelo nosso Arquiteto Anderson Tiezzi, parceiro de tantas inovações no Colégio desde 2018 com o Projeto Inovar, que percebeu nesse projeto a oportunidade de trazer a natureza para o convívio de todos que circulam na Unidade 3 e seu entorno.

A construção, que mistura o aço da cidade com mais de 1.000 vasos de plantas, promove uma reflexão importante de aproveitamento de espaço, preocupação e responsabilidade ambiental e entrega para as pessoas um ambiente mais saudável e harmonioso entre o urbano e a natureza.

As diferentes espécies de plantas utilizadas no projeto, já começaram a chamar a atenção de aves que, além de buscar alimento, também já iniciaram a produção de ninhos. Todos já relatam a diferença de chegar em sala e ter a oportunidade de estar mais próximo da natureza.

 

Reuso de água no jardim vertical – Sustentabilidade na prática

No projeto, ainda existe o cuidado com o reuso da água, uma vez que a irrigação é feita pelo encanamento fixo. A estrutura permite a chegada de água em todas as plantas de maneira uniforme e o excedente é coletado por um sistema de canaletas e armazenado em dois reservatórios. Essa água é utilizada para limpeza e irrigação de outras plantas no colégio.

Dessa forma, os jardins verticais são interessantes estratégias bioclimáticas e paisagísticas, que podem ser facilmente implantados no meio urbano, já que são adaptados à verticalização das cidades. Venha conhecer nosso jardim vertical localizado na Unidade 3 do Colégio Stocco.

Reservatórios para coleta de água de reuso

Luís Gustavo Cordeiro Alves

Professor de Ciências, Robótica e Educação Tecnológica.

Mestrando em Tecnologias Emergentes em Educação MUST – University – Flórida USA/UNICID São Paulo.

Pós-graduado em Metodologias Ativas pelo IBFE-SP

Anderson Tiezzi

Arquiteto

Renata Penno

Arquiteta

Juliana Becker

Arquiteta