Projeto de Meio Ambiente do Colégio Stocco



Empoderando estudantes para a Cidadania Global

Em nossa Unidade da Educação Infantil, realizamos a formação contínua do corpo docente por meio de práticas que envolvem o estudo das metodologias ativas, assim como a exploração dos espaços diversificados, tais como Milharal, Cafezal, Canavial, Hortas, Pomares, entre outros, a fim de que cada professor reflita sobre como potencializar as possibilidades do processo ensino e aprendizagem dos estudantes para que esses construam conceitos de maneira autônoma e participativa.

Essas são as propostas de manejo do meio ambiente aplicadas aos privilegiados 27mil m2 do Stocco.

O apoio técnico ao projeto de meio ambiente é feito por agrônomos contratados pela escola:

• Flora Castellano, Mestra em Agroecossistemas, Economia Agroalimentar e Meio Ambiente;


• Marcelo Noronha, especializado em Gestão Ambiental, Agricultura Urbana e Orgânica e Compostos Orgânicos.

Eles desenvolvem um trabalho essencial com nossos educadores e estudantes. Desde o Infantil, os pequenos percebem o quanto estão inseridos no meio e, por esta razão, precisam conhecer a diversidade ambiental.

Relevância do projeto de meio ambiente para a construção da cidadania global

Ao longo da trajetória escolar, os projetos de meio ambiente são fundamentais para a construção de uma consciência cidadã global. E, para este objetivo, propomos aos estudantes em nossa metodologia ativa atividades que permitam a eles:

• Perceberem a interdependência global;

• Desenvolverem o respeito à natureza;

• Valorizarem atitudes relacionadas ao bem estar individual e coletivo;

• Aprenderem a pensar cientificamente ao levantarem hipóteses e analisá-las;

• Aprimorarem diariamente sua capacidade de observação partindo da identificação e comparação de plantas, hortaliças, legumes, frutas e bichinhos de jardim.

O projeto de meio ambiente na prática

Em 2019, ampliamos os projetos da Roça de Milho e do Minhocário e com eles aprendemos a gestão de resíduos orgânicos e produção de adubo. Semanalmente, os estudantes participam de: preparo da área de plantio e linhas de plantio com cobertura do solo, semeadura do milho, acompanhamento do crescimento, saúde das plantas, sistema de irrigação, observação das minhocas, constatação da decomposição dos resíduos orgânicos, retirada e armazenamento de adubo orgânico e chorume e utilização de adubo na jardinagem e outros plantios do Colégio.

Para nós, ensinar as Ciências Naturais e Humanas é empoderar os estudantes para melhorar o mundo, atuando como cidadãos globais que pensam de maneira crítica e reflexiva, inseridos diariamente em atividades significativas e desafiadoras, em consonância com nossa proposta pedagógica elaborada para cultivar a capacidade de agir de forma responsável, criar, inventar e inovar, segundo o modo de pensar típico da Ciência.

Horta
Roça de milho

Outros projetos com foco na construção de uma consciência global são desenvolvidos pelo Stocco. Destacamos a recente substituição em toda a escola de copos descartáveis e canudos plásticos por alternativas de menor impacto. Clique no link e veja como isso aconteceu: https://stocco.com.br/novidades/copo-descartavel-seus-impactos-e-suas-alternativas/

Confira mais um pouquinho do projeto no vídeo abaixo:


Projeto de Meio Ambiente do Colégio Stocco

Do plantio à colheita: crianças da Educação Infantil vivenciam processos produtivos agrícolas



Estudantes de 1 a 6 anos, do Stoquinho, aprendem regras sociais de valor, respeito e cooperação em ações de integração com a natureza.

Colocar a mão na massa, ou melhor, na terra, é a especialidade dos estudantes do Stoquinho. A maioria das brincadeiras acontece ao ar livre, em parquinhos na areia, pula-pula em pneus, tobogã no meio de árvores, esconde-esconde na casa do Tarzan, mas o momento mais esperado é quando as crianças arregaçam as mangas para participar ativamente de processos de plantio, cultivo e colheitas.

Em meio a uma área de 27 mil m² de área verde, alunos de 1 a 6 anos são convidados a interagir diariamente com diversos elementos da natureza, explorando sensações, cheiros e sabores. Tudo acontece com o acompanhamento de um engenheiro agrônomo, que prioriza as atividades de acordo com a faixa etária e as necessidades de aprendizado nessa fase.

(Crianças se divertindo no tobogã)

Viver o processo é a premissa de todas as ações, independentemente da idade. Aos 5 e 6 anos, por exemplo, as crianças estudam sobre a cana e o café e desenvolvem propostas em nosso canavial e cafezal. “Há um momento em que uma pessoa, vestida de boia-fria, aparece para conversar com elas e contar como é o dia a dia em uma plantação. Os olhinhos dos pequenos até brilham de tanta realização”, conta Marta Mergulhão, coordenadora pedagógica do Stoquinho. “As crianças precisam entender que sobrevivem com o que plantam. Necessitam conhecer a origem, por exemplo, daquele açúcar comprado em saquinho no supermercado”, comenta ela.

(Canavial do Stoquinho)

Quando o assunto é café, os alunos estudam sobre plantio, cultivo, tipos de café, formas de colheita, secagem e torragem. “Todos aprendem a usar o pilão, moer o café e participam ativamente do processo de torragem”, descreve Marta.

Em relação às crianças mais novas, os primeiros contatos e vivências compreendem a apresentação das plantas como um ser vivo e a necessidade delas em receber água, sol e orvalho. Com 2 anos, o tradicional plantio de feijão em copinho, dá lugar ao plantio na própria terra, sujando literalmente as mãos e relacionando o crescimento da planta com aquele simples plantio da semente. Já aos 3 anos, o objeto de estudo é a bananeira e todas as suas particularidades. E, aos 4 anos, diversos projetos sobre sementes, adubos e até uma minhocaria na própria terra.

(Crianças observando e cuidando das flores)

Fátima Gongora, também coordenadora pedagógica do Stoquinho, acredita que as experiências são enriquecedoras para a primeira infância. “As crianças ganham, por meio de cada vivência, uma consciência natural sobre cuidados com a natureza e a importância de preservá-la, além de enraizar atitudes colaborativas, de respeito ao outro e ao seguimento de regras ao participar de atividades em grupo e de convívio social”, diz ela.