A importância de contar histórias e ler para as crianças


O momento da leitura com crianças propicia várias oportunidades de desenvolvimento e amplia as possibilidades de apropriação das diferentes utilizações da linguagem. Nossa Diretora Geral Jozi Stocco, trouxe algumas orientações e estratégias, de modo que o momento da leitura se torne mais atrativo, amplie a vivência da leitura e gere impactos positivos no desenvolvimento das crianças. 

A linguagem escrita em diferentes contextos

A língua é um fenômeno cultural, histórico, social, heterogêneo e sensível aos diferentes contextos e, por esta razão, é importante que desde pequenas as crianças se apropriem da linguagem escrita e vivenciem os múltiplos usos que se pode fazer dela. Elas têm competência, inteligência, são ávidas para aprender e muito curiosas. Assim, as propostas de leitura precisam acontecer a partir desta perspectiva e também da importância do uso da linguagem oral e escrita não ficar circunscrita ao espaço escolar. 

A importância da leitura para crianças

Sabemos que ler, escutar e ter contato com textos escritos contribui, e muito, com o desenvolvimento da expressão de ideias e sentimentos e também o compartilhamento de informações e apropriação destas ao longo da vida.

É na infância que as crianças, aos poucos, percebem onde a língua pode nos levar. Todavia, enquanto elas não leem, nós adultos precisamos fazer isso para ela e por ela para desenvolverem a atenção, a concentração, o vocabulário, a memória e o raciocínio. Além disso, enquanto lemos para elas, conseguimos estimular a imaginação e a criatividade. 

Ampliando a visão de mundo da criança

No mundo atual, em que precisamos de pessoas cada vez mais empáticas, os textos podem contribuir também para o desenvolvimento dessa habilidade, pois enquanto escutam, podem se colocar no lugar dos personagens e experimentar inúmeras sensações, uma vez que são expostas a uma variedade linguística, aos contextos e culturas que o autor expõe.

As experiências das crianças se ampliam conforme as vivências que os adultos lhes oportunizam e a leitura de livros, feitos para esse público que aos poucos se constituirá leitor, é uma das mais relevantes experiências que podemos proporcionar a elas.

Como estimular a leitura?

Para estes momentos, vale a pena observar algumas dicas importantes antes da escolha da literatura a fim de que realmente as práticas sejam de interesse e motivação para as crianças, assim como algumas ações que nós, adultos, podemos adotar:

  1. Escolher conteúdo adequado para as diferentes faixas etárias.
  2. Explorar os fatos abordados no texto.
  3. Verificar quem são os autores que escreveram a história.
  4. Dependendo da idade da criança, fazer perguntas essenciais para despertar a reflexão sobre a obra.

Importante destacar que quando mencionamos sobre a faixa etária, isso funciona como um guia para as famílias sobre “qual é o livro indicado para os filhos e filhas” e, no que diz respeito aos professores, quais as propostas de leitura que eles podem elaborar, com objetivos pedagógicos a serem alcançados. Não pretendemos “encaixar” as crianças numa literatura ou outra, mas sim propormos que os adultos, ao adquirirem livros para elas, reflitam sobre a qualidade do texto, qual o assunto abordado e sua pertinência à faixa etária, entre outras questões.

A jornada da leitura para as crianças pequenas precisa ser instigante e divertida, “com gostinho de quero mais” ao fim de cada história que lemos para elas. É na fase da Educação Infantil que muitos hábitos são adquiridos, e o interesse pela leitura e o amor pelos livros pode ser um deles.

As contribuições da leitura na infância

Inúmeras pesquisas deixam evidente as contribuições da leitura feita para elas pelos adultos. Uma destas pesquisas, das pesquisadoras Ana Teberosky e Angélica Sepúlveda da Universidade de Barcelona na Espanha, aborda sobre as aprendizagens que as crianças podem adquirir a partir da leitura de textos de literatura infantil. Elas analisaram as respostas à leitura em voz alta para crianças, quais suas contribuições, os livros escolhidos e as maneiras como esses adultos que participaram da pesquisa liam para as crianças. As autoras discutem que a linguagem do adulto passa a ser um modelo a ser imitado futuramente pelas crianças, e são eles que podem ampliar o modo como as crianças se expressam. Elas aprendem escutando e participando “de situações comunicativas significativas” e ao “ter oportunidades frequentes de usar e (re)produzir linguagem.”

Construindo o hábito da leitura no dia a dia

É imprescindível, por todos os benefícios mencionados, que a leitura faça parte da rotina da criança na educação infantil e, por esta razão, aproveitamos para dar algumas orientações para este momento, que pode acontecer a qualquer instante do dia, inclusive quando chegar a hora de ir para a cama:

  • Ler pequenos trechos, diariamente, de um livro que ela escolheu ou que você tenha escolhido, para fortalecer o hábito, como se fossem capítulos, instigando para “o que será que vai acontecer?”
  • Perguntar sobre os nomes das figuras e, se a criança ainda não tiver a pronúncia correta, falar em voz alta para que ela aprenda. Evitar o uso de diminutivos, pois os nomes no grau normal (sem diminutivos ou aumentativos), podem ser mais fáceis de serem pronunciados. 
  • Ao ler uma palavra que representa um sentimento, procure utilizar expressões  e gestos condizentes, a fim de possibilitar associações por parte de quem está escutando.
  • Mudar o tom de voz de acordo com o que a narrativa sugere. Exemplo: “A menina sussurrou…”: utilizar um tom mais baixo do que aquele que estava sendo empregado. 
  • Imitar sons (se souber).
  • Deixar que a criança manipule os livros.
  • Fazer perguntas e valorizá-las.
  • Se a criança estiver na fase de alfabetização, é importante receber incentivo para ler pequenos trechos ou continuar a leitura de onde você parou.
  • Oferecer livros de diferentes autores para proporcionar leitura de estilos variados e, aos poucos, perceber o que agrada mais a criança.
  • Perguntar se ela quer ser um personagem do livro e, se ela concordar, utilizar o nome dela para substituir o da personagem que escolheu.

Essas são apenas algumas orientações e nada impede que o adulto leitor utilize outras. O mais importante é aproveitar cada oportunidade para apresentar a literatura para quem está aprendendo que a leitura é uma ponte para um mundo de possibilidades.

 

Jozimeire Angélica Stocco de Camargo Neves da Silva

Diretora Pedagógica Educação Infantil e Diretora Geral

Pós-Doutorado e Doutorado em Educação. PUC/SP